Nota da filial Minas Gerais da Cruz Vermelha Brasileira

Belo Horizonte, 05 de fevereiro de 2019,

A Cruz Vermelha Brasileira – Filial Minas Gerais (CVB-MG) repudia com veemência a apropriação da instituição, no Brasil, para finalidades de cunho ilegal e de violação aos seus princípios, tais como denunciadas no último domingo (3), em reportagem veiculada no programa Fantástico da TV Globo. De acordo com o Ministério Público e os desdobramentos da Operação Calvário, da Polícia Federal, trata-se da ação de uma organização criminosa, a partir da atuação do conselheiro nacional afastado Daniel Gomes de Souza e de pessoas ligadas a ele.

A filial Minas Gerais, entidade independente administrativamente e existente há mais de 100 anos no estado, denunciou fortemente as irregularidades envolvendo o referido conselheiro, ainda no mês de junho de 2018. Desde então, a CVB-MG acionou oficialmente o Conselho de Ética Nacional e também protocolou denúncia junto à Federação Internacional da Cruz Vermelha e o Comitê Internacional da Cruz Vermelha, com sede em Genebra. A CVB-MG também produziu e encaminhou peça de denúncia, sobre o caso, ao Ministério Público do Rio de Janeiro, estado onde se encontra o Órgão Central da Cruz Vermelha Brasileira.

Os crimes apurados pela investigação, que incluem contratos espúrios em gestão hospitalar de alguns estados com a utilização da Cruz Vermelha Brasileira – Filial Rio Grande do Sul e Paraíba são episódio de profunda vergonha e mácula diante da missão e dos trabalhos da instituição. A Filial Minas Gerais ressalta que posiciona-se, historicamente, contra a participação da Cruz Vermelha Brasileira e suas filiais na gestão hospitalar dos estados, prática não condizente com sua natureza e objetivos.

A CVB-MG preza pela transparência e controle rigorosos na administração de recursos, não recebendo nenhum tipo de doação em dinheiro. É a única parte do movimento da Cruz Vermelha no Brasil reconhecida pelo governo federal com a Certificação de Entidades Beneficentes de Assistência Social (CEBAS). A filial Minas Gerais é submetida, anualmente, a auditoria externa, de forma a fiscalizar todos os seus procedimentos e atividades administrativas.

A lamentável exposição dos fatos envolvendo membros da governança nacional e a utilização criminosa de filiais estaduais não podem obscurecer a ação comprometida de representantes da Cruz Vermelha que promovam a seriedade de suas ações em outros estados. Não pode, de nenhuma maneira, confundir-se com a ação voluntária abnegada de tantos que atuam na Cruz Vermelha em respeito à sua missão de amenizar os sofrimentos humanos, de forma indistinta. Foi assim, por exemplo, que a filial Minas Gerais atuou fortemente nos últimos dias em resposta humanitária imediata ao rompimento de barragem em Brumadinho, mobilizando 50 de seus voluntários em resgate e acolhimento às vítimas.

Portanto, a Cruz Vermelha exige apuração rigorosa dos episódios trazidos à tona pela Operação Calvário, com punição devida aos responsáveis, nos termos da lei, e reformulação na gestão do Órgão Central para que fatos similares não voltem a acontecer. São ações imprescindíveis para buscar minorar a grave mancha sobre o nome da Cruz Vermelha Brasileira junto à sociedade e restabelecer a sua credibilidade para o trabalho humanitário de forma neutra, imparcial e independente a favor de todos e todas.

Cruz Vermelha Brasileira – Filial Minas Gerais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *